Empresas de ônibus querem tarifa acima dos R$ 3,00

As empresas Sant´Anna e Stadtbus, concessionárias do transporte coletivo urbano de Botucatu, já encaminharam a planilha de custos para a Prefeitura Municipal, para o reajuste na tarifa dos ônibus que hoje está em R$ 2,35. As empresas reivindicam uma tarifa acima de R$ 3,00.

Na justificativa para o aumento das tarifas foi citado na planilha que o principal ponto é que não houve reajuste desde junho do ano passado. Durante este período o combustível subiu assim como as peças de reposição dos carros e os funcionários tiveram dois aumentos que somaram 15% (8% em 2012 e 7% em 2011). Além disso, os números indicam que os passageiros diminuíram enquanto a quilometragem percorrida, em algumas linhas, aumentou.

De acordo com o engenheiro Vicente Ferraudo, responsável pela pasta da Secretaria Municipal de Trânsito e Mobilidade Urbana (Semutran), as planilhas das empresas concessionárias já estão sendo analisadas pelo Conselho Municipal de Transporte Coletivo (CMTC) e duas reuniões já foram realizadas. Uma terceira reunião, onde será apresentada a proposta oficial da Prefeitura acontece na próxima terça-feira, a partir das 19 horas, na sede do Conselho.

“As empresas teriam direito a um reajuste da tarifa a partir do dia 11 de novembro, mas isso não aconteceu, pois as negociações estão em andamento. As empresas têm o legítimo direito de pleitear o que acham justo, mas nós temos que avaliar todas as questões envolvendo o reajuste para chegarmos a um equilíbrio que seja interessante tanto para as empresas como para os usuários”, colocou Ferraudo.

O secretário adianta que o reajuste tarifário do transporte público não tem como não acontecer. Explica que as empresas terão as tarifas aumentadas, mas vários fatores estão sendo analisados, como variação no preço do combustível no período, valorização da mão de obra, manutenção e peças de reposição dos carros, assim como quilometragem percorrida e gratuidade.

“As empresas não podem fazer milagres e devem ter o reajuste. Por isso, nossa responsabilidade para negociar é muito grande, pois temos que atender as duas partes envolvidas. Claro que a gente queria que não houvesse aumento das tarifas, mas sabemos que isso não é possível. Então, temos que buscar o consenso”, frisou Ferraudo.

O secretário de Trânsito adiantou que o CMTC ainda não tem um número, mas admitiu que o pedido da empresa em elevar a tarifa a um patamar acima de R$ 3,00 foi considerado muito alto. “Tudo que se falar a respeito desse aumento agora é especulativo, pois o Conselho não definiu valores. Isso só vai acontecer na reunião da próxima terça-feira. Espero que as duas partes cheguem a um consenso e o acordo seja consolidado”, previu Ferraudo.