Comunidade da Vila Maria promove a 9ª Festa do Milho

Para a 9ª edição da Festa do Milho o padre Orestes Gomes Filho programou seis dias de festa, em três finais de semanas do mês de março. A festa, que já se tornou tradição e atrai pessoas de todos os bairros da cidade e da região, começa nesse sábado, a partir das 16 horas, no pátio da igreja Nossa Senhora Menina, na Vila Maria e prossegue no domingo. Além desse final de semana a festa acontece em outras duas datas em março: 12 e 13, assim como 26 e 27.

De acordo com Orestes, mais uma vez a festa estará oferecendo produtos derivados de milho como: curau, pamonha, bolo, sorvete, pão, pastel, pizza, milho assado, milho cozido, sopa, entre outros. “Estamos muito felizes em realizar mais esta festa, que atraiu nas edições anteriores um grande número de pessoas. Esperamos que este ano o número de visitantes seja ainda maior”, previu o sacerdote.

Para realizar a festa, Orestes conta com a colaboração de, aproximadamente, 200 pessoas da comunidade da Vila Maria, que trabalham nas barracas e na confecção dos produtos para a venda. “São pessoas abnegadas que nos ajudam todos os anos. Sem a comunidade nossa festa inexistiria. Por causa dessa colaboração é que conseguimos fazer um evento grandioso como este”, elogiou. “Quem vier prestigiar mais esta edição da festa, não vai se arrepender”, acrescenta, prevendo que este ano sejam consumidas 35 toneladas de milho.

Na preparação desta festa, o padre Orestes transformou, mais uma vez, o pátio de igreja Nossa Senhora Menina em uma verdadeira linha de produção. Um grupo colhe o milho, outro faz o transporte até o pátio da igreja, onde um grupo descasca as espigas, antes que elas sejam encaminhadas aos “departamentos da empresa”, para que os produtos sejam feitos. Uma parte vai para o cozimento, outra para a trituração.

Orestes ressalta, ainda, que na área reservada ? s crianças tem uma barraca de cachorro quente, que também é feito pela equipe. “Tudo que estamos comercializando é de primeira qualidade e feito na hora. Apenas a bebida não é feita por nós”, coloca Orestes, lembrando que neste sábado a festa terá início ás 16 horas e no domingo as portas serão abertas ? comunidade a partir das 10 horas.