Cidade se mobiliza para ajudar o Asilo Padre Euclides

Uma campanha de doação espontânea está sendo feita em Botucatu com o intuito de se fazer um bazar e arrecadar verbas para o Asilo Padre Euclides. Podem ser doados artigos de cama, mesa e banho, calçados, bijuterias, utensílios, objetos de decoração, eletrodomésticos, brinquedos, livros, CDs, DvDs e miudezas em geral. Somente a doação de móveis não será aceita.

As doações serão aceitas até o dia 30 de setembro e podem ser entregues diretamente no próprio asilo, localizado na Rua Visconde do Rio Branco, s/nº , Vila Rodrigues, ou na sede do Fundo Social de Solidariedade (FSS), na Rua General Telles, nº1434, centro. Outras informações podem ser obtidas no Asilo pelo telefone (14) 3882-2005 e no FSS pelo contato (14) 3813-8504.

O asilo conta com 60 internos. Dessas 35 são mulheres e 25 homens. A mais nova tem 63 anos e a mais velha 95. Todas distribuídas em 18 casas. Para sobreviver recebe verbas do Município, do Estado e da União, além dos colaboradores, voluntários, sócios e parte da aposentadoria dos asilados. Tudo isso ajuda a manter a entidade funcionando, com um mínimo de conforto aos idosos. Alguns, muito lúcidos, outros enfermos e acamados.

Seu presidente é João Aguiar, que coordena um quadro de 28 funcionários registrados, que consome boa parte do dinheiro do caixa. Isso sem falar de outros gastos básicos da entidade como água, luz, remédios, alimentação, entre outras despesas. Lembra que o asilo depende do voluntariado e dos colaboradores para manter a Casa funcionando, com condições de dar um mínimo de conforto aos idosos.

“Se a gente não tivesse colaboração externa não sei o que seria, pois o que a entidade recebe com as verbas governamentais não dá para pagar nem os funcionários. Então, precisamos de ajuda e não temos vergonha em pedir e em fazer campanhas para angariar fundos”, colocou o presidente.

Aguiar ressalta que gostaria que a população tivesse maior participação no asilo. “Eu convido as pessoas para que venham ao asilo conhecer o tratamento que os idosos recebem, que venham conhecer o trabalho que estamos desenvolvendo. Se não puder ajudar tudo bem, mas o calor humano faz bem aos idosos. Quem puder contribuir, venha ficar sócio. A pessoa interessada pode ligar para nosso telefone ou vir nos visitar qualquer dia da semana. O asilo precisa de todos nós”, finalizou.