Chuvas formaram três erosões de grandes proporções

Em razão das últimas chuvas que desabaram sobre o Município, três erosões de grandes proporções se formaram em diferentes regiões da Cidade: uma no Jardim Paraíso, outra no Jardim Monte Mor e a terceira do Parque dos Comerciários. A evolução dos três casos está sendo acompanhados pela Defesa Civil do Município (DCM).

Segundo o coordenador da DCM, Domingos Chavari Neto, nos últimos dias registrou inúmeros problemas causados pelas chuvas. Além dessas três erosões maiores, outras de menores proporções estão sendo monitoradas para evitar que aumentem, entre elas a que se formou no acostamento da rodovia Alcides Soares, nas proximidades da entrada para a Fazenda Lageado.

“Posso dizer que estamos acompanhando cada caso da cidade e vamos resolvê-los assim que o tempo afirmar. As chuvas estão causando grandes transtornos no Brasil e em alguns locais como Rio de Janeiro e São Paulo centenas de pessoas, infelizmente, morreram. Em nossa cidade além das erosões, também estamos atendendo casos de desabamento de casas, muros, pontes e árvores, além de inundações e destruição de ruas e estradas rurais”, enumera Chavari.

{n}{red}Jardim Paraíso{/n}{/red}

{bimg:16933:alt=interna2:bimg}

Das erosões, a que foi parcialmente contornada está no Jardim Paraíso próxima ao Condomínio Araucária. Ela tinha cinco metros de altura, 20 de altura e 30 de comprimento. A deformação geográfica ocorreu por conta do grande volume de água das chuvas. Uma equipe da Secretaria de Obras, em caráter emergencial, providenciou a colocação de tubulações de ferro de, aproximadamente, 10 metros que desviou a água para evitar que a erosão aumente e possa provocar acidentes maiores.

Antes de apontar responsáveis por possíveis erros estruturais de projeto de vazão das águas do condomínio, a Prefeitura de Botucatu está agendando uma reunião para os próximos dias, com representantes da Caixa Econômica Federal e da Residem, empresa administradora do empreendimento, para estudar a melhor solução e definitiva para o problema concentrado próximo a uma área de preservação permanente.

O Condomínio Araucária tem um conjunto de 10 blocos de prédios habitacionais, com 16 apartamentos cada um (totalizando 160 unidades) e fica na Rua José Barbosa de Barros, nº 1486, região do Jardim Paraíso. A erosão já havia atingindo o alambrado do condomínio e há menos de oito metros do primeiro prédio.

{n}{red}Jardim Monte Mor {/n}{/red}

{bimg:16932:alt=interna1:bimg}

No Jardim Monte Mor o problema tem, aproximadamente, seis metros de altura, 10 metros de largura e 80 metros de comprimento. É o tamanho da erosão formada na Rua 16, que está crescendo a cada nova chuva que cai na cidade. Segundo o morador Adenil Ferraz da Silva, de 72 anos de idade, a erosão aumentou significativamente nos últimos dias e está a poucos metros de sua casa.

A erosão foi formada em razão de ter estourado a tubulação de esgoto da Sabesp e foi se agravando com as chuvas. “Quando (a erosão) começou não dei muita importância. Depois percebi que a tubulação do esgoto havia se quebrado e a água foi levando a terra, até chegar nesse ponto que chegou. Além do buraco que ser formou, o esgoto está correndo a céu aberto”, revela o morador.

Ele faz uma revelação grave, ressaltando que com o esgoto correndo como um leito de rio as crianças do local, cercam a água, formando pequenas lagoas para brincar. “Por mais que eu fale, elas não me obedecem e mergulham nessa água podre. Tem criança aqui que já está com manchas e coceira pelo corpo”, alertou Adenil Silva.

{n}{red}Parque dos Comerciários{/red}{/n}

{bimg:16936:alt=interna3:bimg}

A erosão formada em uma formada no pasto de uma fazenda na região do Parque dos Comerciários impressiona pela sua extensão: chega a mais de sete metros de altura, 12 metros de largura e 100 de comprimento. Embora esteja distante das casas do bairro recebe uma grande quantidade de águas pluviais por uma galeria que fica no cruzamento das ruas Newton Frossard com a Pedro Rosa da Silva.

A erosão aumenta a cada dia para dentro da propriedade e começa na tubulação que recebe a água da rua há aproximadamente 80 metros do asfalto. Moradores locais revelam que onde hoje tem aquele enorme buraco, havia uma área gramada.
Na tarde deste sábado o problema foi conhecido de perto pelo coordenador da Defesa Civil, e pelo vereador Abelardo, do PV.

“Embora essa erosão tenha sido formada em uma área particular recebe água que vem da rua. Vou fazer um relatório e encaminhar ? secretaria de Obras para ver o que a Prefeitura pode fazer”, frisou o coordenador de Defesa Civil, Domingos Chavari. “A erosão impressiona pelo tamanho e se o proprietário dessa fazenda não tomar providências, poderá perder muito mais terreno e aumentar a erosão, que já é grande”, complementou Abelardo.