Canil fecha o primeiro semestre com 1.7 mil atendimentos

A Vigilância Ambiental em Saúde de Botucatu informa que o Canil Municipal fechou o primeiro semestre de 2015 com 1.747 atendimentos. Destaque para as 798 castrações, procedimento cirúrgico para esterilização dos animais, a qual tem um importante papel na redução e controle de animais errantes e, consequentemente, na diminuição dos riscos à saúde da população. Este procedimento teve um aumento em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram realizadas 777 intervenções cirúrgicas.

Também foram realizados 266 recolhimentos de animais mortos; 147 recolhimentos de animais errantes; 69 atendimentos a animais atropelados; 152 recolhimentos de animais soltos e de grande porte; 51 atendimentos a animais invasores; 113 atendimentos a denúncias de possíveis maus tratos; 31 atendimentos a animais agressivos; 85 atendimentos e encaminhamentos de animais abandonados, entre outros.

 

Canil não é abrigo

Ninguém gosta de ver um animal solto na rua. Mas vale lembrar que o Canil Municipal é unidade de saúde zoosanitária que está à Secretaria Municipal da Saúde. Portanto, só recolhe ou atende animais doentes que apresentam risco à saúde pública ou risco de agressão. As ações são voltadas ao controle e à prevenção de doenças como raiva, leishmaniose, leptospirose e demais doenças que possam ser transmitidas aos seres humanos. Animais abandonados que não se enquadram nessas condições não são recolhidos.

Todos os animais recolhidos ao Canil Municipal passam por avaliação médica veterinária completa, que inclui castração, aplicação de vacinas e vermífugos. Caso o dono não se apresente, o animal recolhido, depois de passar por todos esses procedimentos, é encaminhado à adoção. Caso o proprietário vá até o Canil retirar o animal recolhido, ele deverá pagar taxas pelos dias que o mesmo ficou no Canil.

“Nos casos de animais saudáveis ou sem sintomas de doenças, recomendamos que a pessoa que o encontrou procure ONGs (Organizações Não Governamentais) responsáveis por esse trabalho de proteção. Não se pode destinar animais saudáveis e que não oferecem risco à saúde da população ao Canil Municipal, pois sua estrutura é específica para pequenas intervenções, quarentena e tratamento de doenças de caráter zoonótico. Suas baias ambulatoriais são destinadas apenas à recuperação dos animais em curto espaço de tempo”, explica Rodrigo Iais, diretor do Departamento de Saúde Ambiental e Animal de Botucatu.

A equipe do Canil Municipal também tem percorrido escolas e outras instituições para promover orientações educativas sobre posse responsável, ou seja, a obrigatoriedade de manter os animais recolhidos no interior dos imóveis, com saúde e bem-estar. A unidade pode ser acionada para averiguações de animais invasores sem proprietário, em casas ou lugares públicos, que causem transtornos à população.

 

Maus tratos é caso de polícia

O canil municipal ainda pode auxiliar na avaliação de possíveis maus tratos, realizando a orientação ao proprietário reclamado. De acordo com a Lei Municipal 4.904/2008, que dispõe sobre a proteção e defesa dos animais, a população deve comunicar a autoridade policial a respeito de casos de maus tratos de animais que presenciar, fornecendo a qualificação do autor dos fatos, para que possam ser adotadas as medidas cabíveis. “Somente assim o criador, proprietário ou responsável responderá, civil e criminalmente, pelos atos danosos cometidos ou provocados pelos mesmos”, argumenta Iais.

 

Mais informações

O Canil Municipal atende pelo telefone 3813-2555, de segunda a sexta-feira – das 7 horas às 16h30. Ele está localizado na Av. Itália, s/nº – Lavapés. Aos finais de semana e feriados, o plantão pode ser acionado pela Guarda Civil Municipal pelo telefone 199.