Botucatu se mobiliza para ajudar vítimas no Rio de Janeiro

Uma grande mobilização está sendo feita na cidade de Botucatu com a finalidade de ajudar as vítimas de soterramento e inundações que estão ocorrendo na região serrana do Estado do Rio de Janeiro, onde quase mil pessoas já perderam a vidas e milhares estão desabrigadas.

Para ajudar vítimas da tragédia que assola o Rio de Janeiro, a pessoa pode entregar seu donativo em alguns pontos espalhados pela cidade, como Fundo Social de Solidariedade, Guarda Civil Municipal, Tiro de Guerra (TG), Polícia Militar, Rádio Municipalista, entre outros.

{bimg:16976:alt=interna1:bimg}

Os donativos podem ser caixa de leite, água mineral ou gêneros alimentícios como arroz, feijão, macarrão, bolacha, etc. Tudo que for arrecadado será transportado em caminhões até o Rio de Janeiro através de um trabalho a ser realizado pelo secretário municipal de Segurança Pública, delegado Adjair de Campos, por intermédio da Defesa Civil de São Paulo.

{bimg:16977:alt=interna2:bimg}

Um dos pontos de entrega mais movimentados está na Rádio Municipalista. “Estamos mais uma vez mobilizando a população de Botucatu para que ajudem as vítimas do Rio de Janeiro. O povo é solidário e sempre nos ajuda em campanhas para os mais necessitados e tenho certeza de que desta vez não será diferente. Muita gente tem procurado a rádio para fazer a doação. É uma maneira que nossa cidade tem para prestar ajuda aquelas pessoas que estão passando por momentos muito difíceis”, frisou o diretor da Emissora, Vanderlei dos Santos.

{n}Números da tragédia{/n}

Já são 641 pessoas que já perderam a vida no Rio de Janeiro (590 identificadas) em razão dos temporais que estão assolando a região serrana do Estado. Isso sem falar das muitas pessoas que estão desaparecidas, possivelmente, soterradas entre os escombros e nas localidades isoladas que foram devastadas pelas enxurradas e deslizamentos de terras. Além das mortes, o número de desabrigados e desalojados chega a 14.090 pessoas.

Levantamentos das prefeituras, até a manhã desta segunda-feira (17) apontam que foram registradas mortes em Nova Friburgo, Areal, Bom Jardim, Teresópolis, Petrópolis, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto. Nessas cidades, o governador do Estado do Rio de Janeiro Sérgio Cabral decretou estado de calamidade pública.

Esta é a maior tragédia climática da história do Brasil. O número de vítimas ultrapassou o registrado em 1967, na cidade de Caraguatatuba, no litoral norte de São Paulo. Naquela tragédia, tida até então como a maior do Brasil, onde 436 pessoas morreram.

No ano passado, de janeiro a abril, o estado do Rio teve 283 mortes, sendo 53 em Angra dos Reis e Ilha Grande, na passagem do ano; 166 em Niterói, onde se localizava o Morro do Bumba, e 64 no Rio e outras cidades atingidas por temporais em abril.

Fotos: Divulgação