Botucatu adere mais uma vez ao movimento Maio Amarelo

A Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semutran), Guarda Civil Municipal (GCM), Policia Militar e o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) promoveram na última sexta-feira (6), em frente à Catedral Metropolitana de Sant’Anna, o primeiro bloqueio educativo do Maio Amarelo em Botucatu neste ano.

Trata-se de um movimento que chama a atenção da sociedade ao alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo. Outros bloqueios serão realizados na Cidade nos dias 11, 18 e 25 deste mês. Botucatu já apoia a iniciativa desde 2014.

A marca que simboliza o movimento, o laço na cor amarela, segue a mesma proposta de conscientização já idealizada e bem-sucedida adotada pelos movimentos de conscientização no combate ao câncer de mama, ao de próstata e, até mesmo, às campanhas de conscientização contra o vírus HIV – a mais consolidada nacional e internacionalmente.

Portanto, a escolha proposital do laço amarelo tem como intenção primeira colocar a necessidade da sociedade tratar os acidentes de trânsito como uma verdadeira epidemia e, consequentemente, acionar cada cidadão a adotar um comportamento mais seguro e responsável, tendo como premissa a preservação da sua própria vida e a dos demais cidadãos.

Vale lembrar que, em 2011, Botucatu assinou o pacto elaborado na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), no qual compromete os países signatários da resolução, entre eles o Brasil, a desenvolverem até 2020 ações concretas para a redução em 50% do número de feridos e mortes causadas no trânsito.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que três mil vidas sejam perdidas diariamente nas estradas e ruas. Assim, os acidentes de trânsito são a nona maior causa de mortes no mundo.  O Brasil aparece em quinto lugar entre os países recordistas em mortes no trânsito.

Os acidentes de trânsito são o primeiro responsável por mortes na faixa de 15 a 29 anos de idade; o segundo, na faixa de 5 a 14 anos; e o terceiro, na faixa de 30 a 44 anos. Atualmente, esses acidentes já representam um custo de US$ 518 bilhões por ano ou um percentual entre 1% e 3% do PIB (Produto Interno Bruto) de cada país.

Mais informações sobre este movimento no site maioamarelo.com.

(Ass. de Imprensa da Prefeitura)