Bom Prato de Botucatu deverá atender a 70 cidades

O prédio de pouco mais de 950 metros quadrados, que no passado abrigou o Arquivo Médico do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Unesp de Botucatu (FMHCB), em Botucatu, aos poucos vai ganhando nova cara e faz aumentar a expectativa em torno dos benefícios que deverá trazer para uma população estimada em 1,5 milhão de pessoas, vindas de 70 cidades da região.

A instalação do restaurante popular Bom Prato é aguardada por milhares de pessoas que circulam diariamente pelo campus da Unesp, no distrito de Rubião Júnior. Em especial pelos mais pobres, que muitas vezes passam o dia em busca de tratamento médico ou acompanhando algum familiar, sem condições financeiras de se alimentar adequadamente.

O almoço, com 1.200 calorias, composto por arroz, feijão, salada, legumes, um tipo de carne, farinha de mandioca, pãozinho, suco e sobremesa (geralmente uma fruta da época) tem custo de R$ 1,00 para o usuário. O subsídio governamental é de R$ 3,50 para adultos e de R$ 4,50 para crianças com até 6 anos, que têm a refeição gratuita. Já o café da manhã tem leite com café, achocolatado ou iogurte, pão com margarina, requeijão ou frios e uma fruta da estação. A refeição, de 400 calorias em média, custa R$ 0,50 ao usuário.

O programa, que é gerido pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social, instalará em Botucatu sua 49ª unidade no Estado. Essa conquista é fruto da articulação entre a Prefeitura Municipal,  direção do Hospital das Clínicas, Faculdade de Medicina e Famesp, além do deputado estadual Fernando Cury (PPS), que, a partir de 2012, coordenou um abaixo-assinado que angariou mais de 40 mil assinaturas e o apoio de diversas lideranças regionais.

Nesta semana, o prefeito, o deputado, além de vereadores, secretários, assessores municipais e lideranças comunitárias (foto) fizeram uma visita às futuras instalações do Bom Prato para verificar o estágio em que se encontram as obras.  O prédio passa pelas adaptações finais para abrigar cozinha, refeitório, sanitários, vestiários e setor administrativo. A expectativa é que as obras sejam entregues em meados de outubro e o restaurante inaugurado ainda neste semestre.

Os custos para adaptação do prédio, orçados em R$ 636.440,69, serão divididos entre a Prefeitura de Botucatu e o Hospital das Clínicas, com interveniência da Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar (Famesp). O Governo do Estado de São Paulo subsidiará o custeio da refeição. A gestão ficará a cargo do Instituto J. Augusto.