Bebedouro para cães faz sucesso em praça de Botucatu

Como nesta época do ano, animais de estimação também devem consumir bastante água a Secretaria Municipal de Obras instalou um bebedouro para cães na Praça Rubião Júnior que foi reformada e entregue no fim de setembro do ano passado. Trata-se de uma cuba de pia em inox com uma válvula que permite encher o recipiente automaticamente, igual a uma caixa acoplada de vaso sanitário domiciliar. 

Segundo Darci da Silva, encarregado do setor de hidráulica da Secretaria de Obras e que desenvolveu o sistema de toda Praça Rubião Júnior, o esvaziamento do bebedouro ainda é feito manualmente, ao girar um registro instalado ao lado. 

“Mas já estou pensando em aperfeiçoar, colocando uma válvula para que a pessoa possa pisar para trocar a água de maneira mais fácil. Tem gente até pedindo para que sejam instalados bebedouros em outras praças”, conta ele, que é servidor público municipal há mais de 20 anos. “Pra mim é um orgulho ter participado na recuperação desta praça, que já virou um ponto turístico de Botucatu, de encontro das famílias. Valeu a pena”, completa.

A novidade do bebedouro agradou tanto que mais pessoas têm saído de casa com seus cães para passear na praça, localizada no Centro Histórico de Botucatu. A médica veterinária do Canil Municipal, Selene Babboni, é uma que já fez questão de levar seu vira-lata, o Tango, de 5 anos, para passear na Praça Rubião Júnior.

Segundo ela a estimativa da quantidade de água ideal para um cão beber por dia depende de seu peso. A proporção é de 28,35 gramas por quilo de peso corporal.  Por exemplo: um cachorro de 7 kg deve ingerir, aproximadamente, 165 ml de água por dia, o que equivale a meia lata de refrigerante.

“Nos dias quentes, eles irão beber mais água, assim como aqueles mais ativos, ou depois de um passeio ou sessão de exercícios. A desidratação pode levar à morte de um cachorro ou gato rapidamente. Mais de 24 horas sem água caracteriza um caso de urgência e necessita de cuidados veterinários”, orienta Selene.

Ela ainda recomenda a não passear com os cães nas horas mais quentes do dia, principalmente aqueles animais mais peludos ou de focinho curto. Cães podem ter dificuldade em eliminar o calor e passar mal se submetidos a esforços excessivos.

“Evite o sol do meio-dia. As almofadinhas das patas (os coxins dos cães) também podem se queimar no chão quente, principalmente no asfalto, que atinge temperaturas elevadíssimas durante o calor. Já em casa, a água deve ser trocada pelo menos uma vez por dia e o pote limpo diariamente”, esclarece.