Banco de Alimentos já funciona no antigo matadouro

Complexo foi viabilizado em parceria com Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), do Governo Federal, com investimento de R$ 450 mil, e será instrumento para minimizar o desperdício de alimentos que podem atender às famílias mais carentes da Cidade  

 

Na manhã desta sexta-feira (11) foi realizada em Botucatu a cerimônia de inauguração do Banco de Alimentos – “Lourdes Peduti Soares Batista”. O evento contou a presença do prefeito João Cury Neto; vice-prefeito, Antonio Luiz Caldas Júnior; vereador Ednei Lazaro da Costa Carreira; secretária de Assistência Social, Amélia Maria Sibar; presidente do Instituto J. Augusto que ficará responsável pela gestão do novo equipamento público, Regina Aparecida Augusto; além de Lucia de Fátima Barros Peduti, familiar da homenageada.

O prédio do Banco de Alimentos foi erguido junto às antigas instalações do Matadouro Municipal, na Vila Ema, região Central. Ele foi viabilizado em parceria com Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), do Governo Federal, com investimento de R$ 450 mil, e será instrumento para minimizar o desperdício de alimentos que podem atender às famílias mais carentes da Cidade.  

Neste espaço os alimentos serão recepcionados, selecionados, processados ou não, embalados a vácuo e distribuídos gratuitamente às entidades assistenciais. Estas se encarregam de distribuir os alimentos arrecadados à população, seja através do fornecimento de refeições prontas ou o repasse direto às famílias vulneráveis. Em contrapartida, as entidades atendidas pelo Banco de Alimentos participam de atividades de capacitação e educação alimentar.  No Brasil já foram construídos 109 bancos de alimentos via MDS. Outros 105 foram viabilizados pela iniciativa privada.

A secretária de Assistência Social, Amélia Maria Sibar, explica que o Banco de Alimentos tem como objetivo fazer com que as pessoas tenham uma alimentação mais saudável e, além disso, evitar o desperdício em Botucatu. “O Banco de Alimentos também veio para suprir uma lacuna nas cestas básicas que entregamos às famílias que necessitam no Município. Geralmente, as cestas básicas são compostas apenas por alimentos secos, sem nenhuma verdura ou legume. Agora com o Banco isso será possível. É importante destacar que o Banco de Alimentos não atenderá ninguém aqui pessoalmente. As pessoas interessadas serão atendidas por meio das entidades sociais e projetos ligados a própria Prefeitura”, informa.

Regina Aparecida Augusto, presidente do Instituto J. Augusto, destaca que o Banco de Alimentos é um equipamento de segurança alimentar que vem complementar várias ações que já existem na Prefeitura de Botucatu.  “Nosso papel será fazer o trabalho de centralizar os agricultores da região, cadastrá-los e sensibilizar os empresários para que façam doações ao Banco de Alimentos”, informa.

O prefeito João Cury Neto destaca que o Banco de Alimentos é uma politica de segurança alimentar que gera uma “cadeia do bem”, que beneficia tanto os pequenos produtores quanto à saúde da população mais carente.  Realça que em Botucatu ninguém morre de fome, porém, existem pessoas que passam fome que não possuem recursos financeiros para se alimentarem corretamente, de três a quatro vezes por dia, ou porque não tem conhecimento de qual alimento é importante em relação a sua capacidade nutricional para que este cidadão possa ter uma vida saudável.

"O Banco de Alimentos vem nessa direção. Nós, como Prefeitura, também vamos mobilizar todo o empresariado e setor produtivo da Cidade, desde o pequeno produtor aos grandes supermercados para que colaborem com a gente nesse projeto. Vamos comprar com recursos do governo federal alimentos de pequenos produtos. Porém, também vamos ter aqui uma parte importante de doações”, salienta.