Assistência Social e Bombeiros promovem atividades sobre prevenção de quedas

bombeiro-quedasDurante o mês de junho, o Corpo de Bombeiros de Botucatu, em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social, ministrou palestras sobre prevenção de acidentes domésticos, com foco nas quedas no interior das residências.

As atividades foram desenvolvidas nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) das regiões Norte, Sul, Leste, Oeste, Centro e no Distrito de Vitoriana. O tema trabalhado foi escolhido devido a ocorrência de acidentes dessa natureza terem chamado a atenção nas estatísticas dos bombeiros em Botucatu.

Segundo o Capitão PM Edson Winckler Filho, comandante dos Bombeiros de Botucatu, os acidentes se concentraram principalmente no interior das residências e mais especificamente com idosos, motivo pelo qual foi procurada a Secretaria de Assistência Social, que trabalha com grupos da terceira idade nos Cras e também possui o cadastro de vários idosos que recebem as visitas em suas residências.

“O foco inicial era desenvolver este trabalho nas Ruas Amando de Barros e Curuzu, no centro da Cidade, que tiveram grande incidência de quedas no semestre anterior. Porém, além da região central, foi decidido expandir essa atividade preventiva para todo o Município, atuando nos Cras. Além dos frequentadores das unidades, os funcionários também receberam orientações, tornando-se assim multiplicadores dentro de seu local de trabalho”, destaca.

Para a secretária de Assistência Social, Amélia Maria Sibar, a ação proposta pelo Corpo de Bombeiros de Botucatu e executada nos Cras é de suma importância tanto para o público idoso quanto para as equipes técnicas das unidades que receberam orientações sobre os riscos das quedas.

“Com o avançar da idade algumas alterações ocorrem. A acuidade visual reduz-se, os reflexos ficam mais lentos e menos eficientes, e a força das pernas e o equilíbrio tendem a diminuir. A queda pode acontecer em qualquer idade, mas este acidente é muito prejudicial para as pessoas idosas, pois há grandes chances de ocorrerem lesões, torções e fraturas que podem levar o idoso a hospitalização. Se a queda do idoso não pode ser evitada, ao menos pode ser reduzida. E esta tarefa é responsabilidade de todos”, enfatiza.