Assembleia vai debater reajuste do servidor municipal

Na noite da próxima quarta-feira (5) o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Botucatu (SISPUMB) estará realizando uma assembleia para discutir o percentual de reajuste salarial proposto pela Prefeitura para 2013. A proposta apresentada ao sindicado foi um aumento de 2% sobre os atuais salários e mais R$ 20,00 sobre o valor do vale compras alimentos, que passará de R$ 430,00 para R$ 450,00.

Presidente do sindicato, José Manuel Leme, o Mané, ressaltou na tarde desta segunda-feira (3) que a proposta é muito abaixo do esperado. No documento encaminhado ao sindicato o Poder Público justificou a proposta alegando que foi baseada na arrecadação municipal que segundo a Secretaria da Fazenda vem caindo dia após dia e que o cumprimento orçamentário deve ser mantido visando não ocasionar problemas financeiros no futuro como atraso de pagamentos e déficit orçamentário nas secretarias da Administração e da Fazenda.

“Essa proposta apresentada pela Prefeitura está longe do que é pleiteado pelo sindicato e não chegou nem perto do índice inflacionário que é de 6,94%, Nossas perdas salariais nos últimos os três anos foram de 15% e consideramos a reposição proposta uma atitude de desrespeito e desvalorização profissional para com a categoria”, frisou Mané Leme.

Segundo ele o sindicato não aceitaria nem discutir essa proposta, mas quem decide são os trabalhadores em assembléia. “Por isso, estamos convocando os funcionários. O sindicato sozinho não pode fazer nada e a assembléia é soberana para decidir o melhor a ser feito. Quanto mais gente comparecer, mais força o servidor tem para lutar pelos seus direitos”, disse Mané Leme.

Sobre uma possível paralisação, caso não haja acordo, o sindicalista foi taxativo. “Não descartamos nada e o sindicato irá fazer o que a maioria decidir e apoiar qualquer decisão que for tomada. Por isso, é importante a participação na assembléia, independente da decisão que o trabalhador venha a tomar, pois a assembleia é soberana e democrática”, colocou o sindicalista.

Ressalta que cada trabalhador tem o direito de expor sua opinião. “Agora, não é justo que a minoria decida pela maioria. A pessoa não pode ficar em casa aguardando a decisão de quem estiver na assembléia. Esse assunto é de interesse de todo servidor municipal. Por isso, esperamos contar com um grande número de pessoas aqui no sindicato na próxima quarta-feira, para
juntos decidirmos os caminhos que iremos seguir”, concluiu.