Áreas doadas pela prefeitura poderão ser devolvidas

O prefeito de Botucatu João Cury Neto, acompanhado do secretário municipal de Desenvolvimento, Edison Baptistão, recebeu esta semana representantes da diretoria local da Irizar para que a empresa prestasse esclarecimentos sobre a utilização da área doada pelo Poder Público Municipal para a construção de seu novo parque fabril no Município.

A escritura de doação é datada de 12 de março de 2012 e o prazo máximo para início das obras era de 12 meses. Porém, a Cetesb solicitou ? Irizar laudos técnicos que comprovassem a inexistência de nascentes d’agua no local, uma área de 234 mil metros quadrados, localizada no novo distrito industrial 4, com acesso pela Distrito 3, ? s margens da Rodovia Marechal Rondon, km255, sentido São Manuel.

“A Irizar precisou contratar os serviços de um geólogo e providenciar todos os documentos ambientais. Paralelamente o mercado de produção de ônibus sofreu uma retração, o que fez a diretoria da empresa, na Espanha, rediscutir seus investimentos. Assim uma nova reunião será marcada para setembro com um parecer final da Irizar, que se comprometeu a devolver a área caso não aja mais interesse nela”, explica Baptistão.

Outra doação de terreno pendente que preocupa a Prefeitura é em relação ? Tecnaut, que atua principalmente na fabricação de peças para maquinários agrícolas e caminhões. A escritura de uma área de quase 30 mil metros quadrados, também localizada no distrito 4, é datada de 19 de abril de 2012. Porém a construção do novo parque fabril da empresa não foi iniciada.

“O terreno destinado ? Tecnaut é muito próximo a este que doamos ? Irizar. Como havia a suspeita deste olho d’água nesta área do distrito, todo o processo de construção da nova unidade industrial da Tecnaut também foi interrompido. Mas iremos entrar em contato com a empresa para marcar uma reunião e também resolver mais esta pendência”, completa o secretário de Desenvolvimento. O prefeito João Cury afirma que, independente da concretização de tais investimentos, não medirá esforços para que ambas as empresas sejam mantidas em Botucatu.

“Queremos sim uma posição definitiva porque a construção de novos parques fabris destas duas importantes empresas representa o crescimento no número de vagas de emprego ? população e o fortalecimento da nossa indústria. Mas caso isso não seja possível, pelo menos de imediato, a Cidade pode ter a certeza que temos a preocupação de criar as melhores condições para que a Irizar e Tecnaut não abandonem Botucatu, uma vez que juntas representam a segurança de quase mil famílias”, argumenta.