“Pedágio” orienta a população a não dar esmolas

Uma grande movimentação social está sendo preparada em Botucatu para intensificar a campanha intitulada: “Não dê esmola, dê oportunidade”. A ideia é fazer um “pedágio” em pontos estratégicos da cidade em locais onde existe maior concentração de andarilhos como cruzamento de vias e  praças públicas.

Nesses locais serão distribuídos panfletos alusivos a campanha para conscientizar a municipalidade a evitar dar esmolas nas ruas. Essa campanha, embora venha sendo realizada de maneira contínua pela Secretaria Municipal de Assistência Social, contará nesse “pedágio” com o engajamento de outras secretarias municipais, Guarda Civil Municipal (GCM), Centro de Atendimento ao Migrante Itinerante Municipal (Camim), clube de serviços, Polícia Militar (PM), Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), entre outras.

A assistente social Irani Branco Lourenço destaca que a população de Botucatu é bastante solidária e não se furta em doar aos andarilhos ou moradores de rua alimentos, roupas, cobertores e até dinheiro. Cita que tudo isso eles conseguiriam no Camim, mas não gostam de permanecer a entidade para não ter seguir as regras.

“Ele sãos resgatados das ruas, principalmente em dias de frio e chuva levados ao Camim, mas permanecem por pouco tempo. Como não é uma prisão não podemos obrigá-los a permanecer e eles voltam às ruas para pedir esmolas, principalmente dinheiro para comprar bebidas alcoólicas e até outras drogas mais pesadas. Por isso essa campanha de conscientização é importante”, comenta a assistente social.

 

Por meio da ronda e de ligações telefônicas, a Guarda Civil Municipal (GCM) juntamente com o Camim – Serviço Especializado de Pessoas em Situação de Rua identifica pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade social nas ruas e as encaminham ao Centro onde são recepcionadas com alimentação e um lugar para pernoitar. Além disso, são assistidas pela equipe de assistentes sociais, que procura viabilizar tratamento e oportunidades que possam contribuir para que elas melhorem suas vidas.

Neide Zonta, assistente social e assessora em políticas sociais do Camim,  revela que existe uma rotatividade média diária de 30 pessoas na entidade. “Diuturnamente temos pessoas que nos procuram espontaneamente ou as que resgatadas pela GCM das ruas em situação de vulnerabilidade e  convidadas a serem assistidas e acompanhadas pelo serviço social do município. Entretanto, a grande maioria acaba voltando às ruas”, disse. Enfatiza que para ajudar um morador de rua a encontrar atendimento correto para sua situação basta ligar para os números 199 da Guarda Civil Municipal ou (14) 3882-8444 do próprio Camim.

 

Migrante

Paralelo ao pedágio a GCM juntamente com o Camim está dando continuidade ao projeto “Operação Migrante”  voltado para que pessoas em situação de vulnerabilidade sejam acolhidas. Visitando vários locais da Cidade, principalmente praças públicas e casas abandonadas, essas pessoas são resgatadas e levadas ao Camim onde são assistidas e possam viabilizar algo que consiga melhorar a situação em que vivem.

Vale ressaltar que  o projeto tem parceria transversal das Secretarias Municipais de Segurança e Assistência Social, sendo executado pela GCM e Camim. “O fator predominante no sucesso desta ação social é a imensa contribuição da população que solicita diuturnamente no número 199 acionando o auxílio as pessoas em situação de vulnerabilidade”, comentou o comandante GCM, Sérgio Bavia.

Neide Zonta destaca que  não são atendidos apenas  migrantes ou desvalidos como também pessoas que se encontram vagando pelas ruas embriagadas e são encaminhadas ao Camim ou para suas próprias casas. “O importante é que esta camada da população não pereça nas praças, ruas e em outros lugares desta Cidade”, destaca.